podcasts

podcasts

Data

08/04/2022

Tempo de Leitura

5 minutos

Podcast 692 – Tati Sadala: A edtech que pretende acelerar o crescimento profissional das mulheres

Podcast 692 – Tati Sadala: A edtech que pretende acelerar o crescimento profissional das mulheres

Data

08/04/2022

Tempo de Leitura

5 minutos

Na semana em que o senado norte-americano aprovou a indicação de Ketanji Brown Jackson, que se tornou a primeira juíza negra da suprema corte dos Estados Unidos – um marco, portanto, para a representatividade feminina nos círculos de poder –, o Podcast Rio Bravo entrevista Tati Sadala, CEO e co-fundadora da Todas Group, uma edtech que tem por objetivo capacitar mulheres para o mercado de trabalho. Ao nosso podcast, Sadala destaca a importância das referências e da mentoria para que o aprimoramento possa surtir efeito e, aos poucos, mitigar uma situação de desequilíbrio entre as mulheres, algo que já foi escancarado até pelo Fórum Econômico Mundial em 2021. De acordo com um levantamento divulgado pela entidade, aumentou para 136 anos o tempo para que o mundo atinja paridade de gênero. 

Pouco antes desse relatório vir à tona, Tati Sadala já havia participado de uma experiência decisiva para a sua trajetória profissional. Depois de um período na Singularity University, ela conta ao Podcast Rio Bravo que compreendeu o significado da desigualdade de gênero. “Eu saí de lá muito impactada e decidi que gostaria de fazer algo a respeito. Uma amiga em comum me conectou com a minha sócia, Dafne, que sempre trabalhou em negócios de conteúdo, de treinamento, de vendas para mulheres. Nós decidimos testar uma primeira ideia, que veio de uma forma muito genuína, que era juntar todas as mulheres, de forma gratuita e ampla, num zoom que acontecia às quartas-feiras para trocar experiências. Começar, então, por franquear acesso a grandes referências no mercado de trabalho, a grandes CEOs e empreendedoras que vêm fazendo diferença no nosso país”. 
 

A opção por começar pelas referências tem um motivo. Na visão de Tati Sadala, a falta de modelos é um dos elementos que acaba por minar a confiança das mulheres no que tange à escalada profissional. “Atualmente, 70% das mulheres dizem não ter referências de líderes femininas de sucesso, de uma mulher que admira em sua vida. O que nós estamos fazendo com o Todas Group é construir, de fato, a mentoria 2.0 de forma escalável. Mulheres como Camila Farani, a maior investidora-anjo do país, e grandes executivas de empresas são pessoas de difícil acesso, quase inatingíveis”. Nesse sentido, continua Sadala, poder aprender diretamente com elas; ter tecnologia para poder trocar experiências com outras membras e, assim, crescer juntas; ter suporte e ferramentas para o dia a dia são elementos que permitem o acesso a um ecossistema de soluções que a edtech oferece. “É isso que a plataforma do Todas Group entrega”. 
 

Em outro momento da entrevista, a co-fundadora do Todas Group destaca que o aprendizado já é uma espécie de denominador comum das carreiras executivas. “O mundo está mudando numa velocidade tamanha, que todos nós vamos precisar acelerar nosso desenvolvimento. Acho que nunca na história houve tantas edtechs surgindo, assim como nunca houve tanta gente, tantos fundadores, querendo democratizar o ensino de mais alta qualidade que existe no mundo a um preço acessível”.  

Nesse sentido, Tati Sadala acrescenta que, para preparar desenvolver as profissionais da próxima geração, é preciso entender as barreiras existentes no mercado de trabalho. “As mulheres, que já se formam mais do que os homens no Brasil, são atualmente 60% das alunas no mercado de educação digital, mas são apenas 20% das executivas de empresas no mundo, e na Fortune 500 elas não são nem 10%”. Sadala ressalta que é preciso contemplar duas frentes no longo prazo: as mulheres acelerando o seu desenvolvimento e o ambiente de trabalho com menos barreiras para elas crescerem.  

No encerramento da entrevista, quisemos saber a respeito da presença das mulheres na área de tecnologia, um dos segmentos que, historicamente, sempre atraiu mais homens. “Isso acontece, sim, e por uma série de questões, não somente porque as mulheres não queiram. Envolve, além de representatividade e referência, acreditar que é possível.” Tati Sadala cita como exemplo o mercado de venture capital. “Hoje somente 2% dos aportes são para negócios fundados por mulheres, mas também esses números vêm crescendo. Já existem alguns ecossistemas, algumas redes de apoio, para que mais mulheres empreendam e entrem em mercados, como o de tecnologia.” 

A íntegra da entrevista de Tati Sadala ao Podcast Rio Bravo pode ser acessada a partir do link acima.

Fabio Cardoso é jornalista e produtor do Podcast Rio Bravo. 

Conteúdos relacionados

...
12/08/2022
Podcast 710 – Diego Escosteguy: Os desafios do jornalismo na era da economia da atenção 

De uns anos para cá, a imprensa tradicional passou por mudanças significativas, como a...

...
12/08/2022
Dicas da Semana – A inclusão começa por você 12.08.2022

Hoje separamos algumas dicas de livros bem divertidos, que falam sobre diversidade, com uma...

Quer saber mais?

Cadastre-se para receber informações sobre nossos fundos