Estamos mudando de site!
Para navegar no site antigo ou ver nossa lista de fundos: Acesse aqui

artigos

100 dias do Governo Lula 

Após uma disputa eleitoral radicalizada, não tem sido um começo fácil para o governo lula e sua nova administração, a vitória do presidente Lula gerou grandes expectativas de que o país teria superado um dos momentos mais conturbados da democracia brasileira. O sentimento presente na posse, em 1º de janeiro, era de que a construção de uma frente democrática permitiria ao governo enfrentar os grandes desafios sociais e econômicos.

Além disso, a imagem simbólica do povo subindo a rampa junto com o presidente eleito projetou o sentimento de retorno à normalidade e de reconstrução nacional. 

Governo lula e o combate a polarização política

No entanto, os acontecimentos em 8 de janeiro demonstram que as divisões continuam presentes no cerne da sociedade. Por mais que as lideranças políticas tenham se unido no discurso da defesa do Estado Democrático de Direito e as ações judiciais tenham garantido o retorno da ordem pública, não ficou esboçado um plano de construção nacional que, para além do discurso de união e gestos simbólicos, lançaria uma agenda de superação da polarização política no país.

Após o 8 de janeiro, o Governo se esforçou em promover as suas políticas sociais históricas e, dessa forma, responder pressões da sociedade. A percepção presente no Governo é que a superação do 8 de janeiro só será alcançada quando as pessoas recordarem dos benefícios sociais implementados nos governos petistas.   

É importante ressaltar que o governo Lula enfrenta um cenário semelhante ao de outros governos recentes da América Latina, como o Chile e a Colômbia, em que a lua de mel tem sido cada vez mais curta e as pressões para que as mudanças sejam implementadas esbarram, de um lado, na falta de horizontes econômicos e, de outro lado, na falta de sustentação coesa em termos legislativos. 

O xadrez político no congresso

Associada à impaciência da opinião pública, outra limitação do governo Lula é a necessidade de construção de uma base de sustentação mais ampla e que aprove as reformas. No entanto, o Congresso tem uma configuração cada vez mais difícil para construção de maiorias.

O presidente não apenas não tem uma maioria no Congresso, mas também enfrenta, no início de seu mandato, uma disputa entre os principais partidos e lideranças políticas.

Apesar do consenso sobre alguns dos grandes temas que devem ser analisados já neste primeiro ano, especialmente na questão fiscal e tributária, a dinâmica de disputa entre os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, cria um outro obstáculo ao governo, que precisa gastar seu capital político na mediação da disputa. 

Disputa de visões e ideias dentro do governo Lula

Outro elemento é a disputa dentro do próprio governo. Neste início de administração, temos quatro grandes grupos com ideias e visões distintas:

Foco nas pautas sociais

o grupo petista tradicional, liderado pela presidente do PT, Gleise Hoffman, defende uma agenda desenvolvimentista e voltada para os temas sociais, visto que pretendem garantir uma posição de forte alinhamento com as bases de sustentação do Lulismo que vem desde o primeiro governo.

Desenvolvimento econômico e ajuste fiscal

O segundo grupo envolve a ala mais econômica, liderada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e pelo vice-presidente, Geraldo Alckmim. A pauta central deste grupo é a condução das reformas econômicas que tragam um desenvolvimento sustentável, mas que garanta os princípios do ajuste fiscal e do controle da dívida pública. Esse grupo enfrenta forte resistência do primeiro, pois há um choque de visões sobre como seguir a política econômica.

Base política do governo

O terceiro grupo envolve um amplo número de ministros, que foram escolhidos pela necessidade de sustentação política e atração de partidos para a base. São políticos com pouca identidade com o PT ou ligação com a agenda petista de desenvolvimento social, mas sua presença no governo garante uma melhora na governabilidade.

Até o momento, este grupo tem dado mais problema do que resultados positivos, pois a busca de visibilidade os faz buscarem os holofotes públicos e, muitas vezes, geram questionamento sobre o quanto o governo está coeso em seus princípios.

Agenda social e inclusiva

Já o quatro grupo é resultado da pressão dos movimentos sociais e identitários que buscam espaços para ampliar algumas das agendas sociais do governo. Até o momento, tem sido o grupo que mais expõe as diferenças entre o Governo Lula e o anterior.

O resgate de pautas históricas de defesa dos direitos humanos, meio ambiente e respeito aos indígenas ganhou projeção na mídia e na sociedade. No entanto, as dificuldades de implementação de políticas públicas de impacto começam a degastar a agenda destes grupos, que se ressentem de não estarem no centro das políticas públicas.  

A imagem do governo no exterior

Na área da política externa, o governo lula teve um forte ativismo com a retomada das agendas tradicionais para a inserção externa do país. As viagens internacionais até agora mostram a expectativa quanto à participação do país nos temas globais. No entanto, a postura brasileira no caso da guerra entre Rússia e Ucrânia já gera atritos com os aliados Ocidentais.

Outro desafio na agenda internacional é a busca de equilíbrio do Brasil nas relações com os Estados Unidos e a China, que têm interesses distintos na região. O Brasil precisa encontrar uma posição que permita manter sua autonomia e independência na conjuntura internacional.  

Em resumo, não tem sido um começo fácil para o Governo Lula III. A falta de um plano de construção nacional que lide com as divisões internas na base do Governo e a construção de uma base de sustentação mais ampla é uma necessidade urgente. Enfim, o sucesso do Governo Lula dependerá da capacidade de superar esses desafios e implementar uma agenda positiva para o país. 

Denilde Holzhacker é cientista política e é coordenadora-geral de Pesquisa e Pós-Graduação da ESPM. 

Gostou dessa análise? tenha acesso aos outros conteúdos da Rio Bravo!

Conteúdos relacionados

As “Incentivadas” seguem firmes e fortes, e as “de infraestrutura”?
20/05/2024
As “Incentivadas” seguem firmes e fortes, e as “de infraestrutura”?

Todo alocador conhece os benefícios básicos de uma carteira bem diversificada, claro que...

Podcast 802 – Vivian Rio Stella: O que a comunicação diz sobre a cultura das empresas
17/05/2024
Podcast 802 – Vivian Rio Stella: O que a comunicação diz sobre a cultura das empresas

Na Unicamp, a trajetória de Vivian Rio Stella sempre seguiu a linha reta da pesquisa acadêmica:...

Quer saber mais?

Cadastre-se para receber informações sobre nossos fundos