Estamos mudando de site!
Para navegar no site antigo ou ver nossa lista de fundos: Acesse aqui

artigos

Dicas da Semana – A inclusão começa por você 28/01/2022

Acreditamos que as “Dicas da Semana” são nossas grandes aliadas em busca do conhecimento de assuntos sobre Diversidade e Inclusão.

Hoje falaremos sobre Colocrismo.

O colorismo ou “pigmentocracia” é a discriminação pela cor da pele e é muito comum em países que sofreram a colonização europeia e em países pós-escravocratas. De uma maneira simplificada: o termo quer dizer que quanto mais pigmentada uma pessoa mais exclusão ela irá sofrer.

Ao contrário do racismo, que se orienta na identificação do sujeito como pertencente a certa raça para poder exercer a discriminação, o colorismo se orienta somente na cor da pele da pessoa. Isso quer dizer que, ainda que uma pessoa seja reconhecida como negra ou afrodescendente, a tonalidade de sua pele será decisiva para o tratamento que a sociedade dará a ela. Isto se aplica a outras etnias também.

O colorismo dificulta e até mesmo impede completamente o acesso de pessoas de pele escura a certos lugares da sociedade. Apesar de se orientar na cor da pele, o colorismo no Brasil apresenta uma peculiaridade: aspectos fenotípicos como cabelo crespo, nariz arredondado ou largo, dentre outros aspectos físicos, que a nossa cultura associa à descendência africana, também influenciam no processo de discriminação.

O colorismo contudo não é um problema exclusivo da interação entre a branquitude e o sujeito negro dos mais variados tons na sociedade. Ele gera conflito também dentro da comunidade negra.

Portanto se você é uma pessoa branca e nunca tinha ouvido falar em Colorismo, o que você precisa saber é que quanto mais escura uma pessoa for e quanto mais fenótipos essa pessoa tiver, mais racismo ela sofrerá. Em contrapartida, pessoas negras de pele clara também sofrem racismo, contudo são toleradas dentro dos espaços nos quais a branquitude permite que ela seja inserida.

Lembre-se: a diferença está no detalhe, empatia é fundamental e sempre é tempo de mudarmos nossa forma de pensar e agir.

Aguarde, na próxima sexta-feira, mais dicas para você.

Conteúdos relacionados

As “Incentivadas” seguem firmes e fortes, e as “de infraestrutura”?
20/05/2024
As “Incentivadas” seguem firmes e fortes, e as “de infraestrutura”?

Todo alocador conhece os benefícios básicos de uma carteira bem diversificada, claro que...

Podcast 802 – Vivian Rio Stella: O que a comunicação diz sobre a cultura das empresas
17/05/2024
Podcast 802 – Vivian Rio Stella: O que a comunicação diz sobre a cultura das empresas

Na Unicamp, a trajetória de Vivian Rio Stella sempre seguiu a linha reta da pesquisa acadêmica:...

Quer saber mais?

Cadastre-se para receber informações sobre nossos fundos